Apoio psicológico a tripulantes TAP assaltados no Panamá

"Incidente pode deixar marcas", mas Carlos Amoroso nota que “acompanhamento é sigiloso”. Associação Profissional confirma regresso a Portugal dos sete tripulantes alvo de acção violenta na capital panamiana.

17-08-2014 20:42 por José Bastos

Foto: Lusa (arquivo)

A+A-

Multimédia

  • Apoio psicológico a tripulantes assaltados

Foi disponibilizado acompanhamento psicológico aos tripulantes da TAP, vítimas de assalto com contornos de grande violência na América Central.

Os tripulantes chegaram este domingo à tarde a Lisboa depois de, na última quinta-feira, terem sido atacados num dos principais hotéis da cidade do Panamá.

Os portugueses terão sido apanhados circunstancialmente no meio de uma acção que visava a recepção do hotel e não nenhum grupo de hóspedes em particular.

No momento do "check-in", quatro assaltantes empunhando armas de fogo levaram todos os documentos, bagagem de mão e bens pessoais: dinheiro, telemóveis, relógios e óculos. Apenas um elemento da tripulação portuguesa foi poupado pelos criminosos: foi o primeiro a fazer o "check-in" e já se encontrava no quarto.

Em declarações à Renascença, Carlos Amoroso, presidente da Associação Portuguesa de Tripulantes de Cabine (APTCA ), confirma o regresso dos portugueses, no voo TP159, cidade do Panamá-Lisboa, via Bogotá.

"Os tripulantes cumpriram as suas funções com máximo profissionalismo. Conseguiram realizar um voo perfeitamente normal apesar da violência dos acontecimentos no Panamá", nota.

"Este tipo de incidente pode deixar marcas psicológicas", reconhece Carlos Amoroso, sublinhado que a APTCA criou um grupo de trabalho específico para apoiar os tripulantes nestas condições.

“Temos os nossos próprios recursos e a nossa própria capacidade de intervir nestas situações”. “Esperamos também que a empresa (TAP) tenha o mesmo tipo de cuidado com os seus funcionários, com os seus tripulantes”, indica Carlos Amoroso.

Acompanhamento psicológico é sigiloso
O presidente da Associação Portuguesa de Tripulantes de Cabine recusa revelar quantos funcionários da TAP envolvidos no incidente violento do Panamá estão ser alvo de acompanhamento psicológico.

"São informações confidenciais que só essa equipa interdisciplinar tem. São contactos que essa equipa faz. Equipa que está a acompanhar os tripulantes". A operação está em curso, garante Carlos Amoroso.

"A equipa está já a intervir, está com contacto com os tripulantes, mas essas situações são de sigilo, são do domínio privado. O que importa é que os tripulantes em causa têm o nosso apoio", observa.

Este incidente no Hotel Marriot da cidade do Panamá não é o primeiro envolvendo escalas habituais de tripulações da TAP. Destinos na América do Sul e em África são considerados de algum risco e alvo de recomendações de segurança.

Um dos casos de maior visibilidade pública ocorreu no mês de Janeiro quando dois pilotos foram sequestrados por um gang de cinco homens armados em Maputo, capital de Moçambique.

Os pilotos de longo curso estiveram retidos durante duas horas, mas acabaram por ser libertados num local ermo. Os criminosos ter-se-ão apercebido da condição profissional dos portugueses e da eventual repercussão mediática da acção.

A APTCA reitera que a segurança das tripulações é, em primeira instância, responsabilidade das transportadoras aéreas. "A Associação preocupa-se com os destinos e com a segurança, mas essa matéria compete às companhias que colocam as tripulações em cada destino", nota Carlos Amoroso.

"A nossa expectativa é que haja uma análise muito detalhada deste caso no Panamá, neste e outros, e que a empresa possa adoptar medidas adequadas para esta situação não se repetir", conclui.


Multimédia

  • Apoio psicológico a tripulantes assaltados

Comentários (12)

  • »Garrido, Punta cana, 20-08-2014 03:31
    Realmente .... Fico parvo com o que leio! Realmente... Cada povo tem o que merece!! Ja se escreve subsedeo em Portugal?
  • »luis gonçalves, Oliveira de Azeméis, 19-08-2014 10:10
    Acho muito bem! No entanto penso que este apoio psicológico deveria estender-se também aos pequenos acionistas do BES, uma vez que estes também foram autenticamente assaltados!
  • »SM, Campo, 18-08-2014 19:45
    Paremos um pouco para reflectir senhores iluminados nos comentários. Não foram os vossos filhos, maridos ou pais que foram assaltados com armas de fogo e que só não levaram com uma bala na cabeça porque não calhou. Os tripulantes de uma companhia, qualquer que seja a mesma, estão ao serviço e têm de ter condições de segurança para isso. Que o povinho gosta de atacar a TAP e tudo o que são empresas públicas já todos sabemos, agora não se esqueçam que por trás deste triste acontecimento estão PESSOAS e se os animais que lêem as notícias da companhia e não conseguem evitar os comentários, pelo menos nesta noticia tenham decoro.
  • »Cidadão, Lisboa, 18-08-2014 18:30
    A APTCA, ou quem por ela tece estes comentários, não dá conta que cai no ridículo ao emitir tal disparate? Que soluções quer esta associação que se implementem? Que os tripulantes vistam e dispam as suas fardas nos aviões? Escolta pessoal a tempo inteiro? Que a associação queira mostrar trabalho aos seus associados, tudo bem. Mas com patetices?
  • »J.C., Lisboa, 18-08-2014 17:21
    Muita criatividade e muito disparate nos comentários....
  • PUB
  • »Antonio, Lisboa, 18-08-2014 15:07
    Também quero apoio psicológico devido aos assaltos do governo. Governo socialista dos Açores.
  • »Ab, Porto, 18-08-2014 10:22
    Helder os tripulantes da TAP já tem escolta em alguns países da america latina (nomenadamente na venezuela que os carros são a prova de bala). Isto é uma grande palhaçada, pas noitadas que eles fazem ja nao ha problema
  • »Inspector Clouzot, Paris, 18-08-2014 03:26
    Será que a polícia do Panamá não vai investigar o único piloto da TAP que não foi assaltado? Hmmmmmmmmmmmmmmmm!!!!!!!!!!!!!
  • »Aigle Azur, Faro, 18-08-2014 01:23
    Sr. jornalista, Você não percebe uma grama que seja do problema. Os pilotos foram libertados em Maputo, não por possíveis efeitos mediáticos, mas porque os raptores perceberam que ninguém em Portugal ia pagar um cêntimo que fosse do resgate a dois grevistas da CGTP! Essa é que essa! Aqui no Panamá só lhes foram roubados bilhetes para a Festa do Avante e mais nada!
  • »Rui Silva Tavares, Azeitão, 18-08-2014 01:17
    Não queria estar na pele da malta que foi aliviada dos seus pertences no canal do Panamá, mas estes pilotos também vão facultar "apoio psicológico" aos passageiros na próxima greve?

Comentar

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis


Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.